Total de visualizações de página

quarta-feira, 29 de junho de 2011


SYSTEM OF A DOWN DE A A Z

O System of a Down retorna ao palco neste verão após um hiatus de cinco anos. Para comemorar, aqui está um A a Z fundamental do SOAD

Armênia

Enquanto apenas o baixista Shavo Odadjian nasceu na Armênia (o guitarrista Daron Malakian nasceu em Los Angeles, o vocalista Serj Tankian e o baterista John Dolmayan nasceram no Líbano), a herança armênia compartilhada ajudou a dar forma à banda, desde elementos folclóricos tecidos através das músicas até letras e entrevistas abordando o Genocídio Armênio e sua situação de reconhecimento mundial oficial.


BOOM!

Com a Guerra do Iraque aparentemente inevitável, o SOAD associou-se com o cineasta e agitador político Michael Moore (que também dirigiu o infame clipe Sleep Now in the Fire, do Rage Against the Machine) para criarem uma declaração anti-guerra ousada e provocativa com seu vídeo Boom!. “Acho que o vídeo é sobre paz”, disse Daron, cuja família vive no Iraque. “Eu acho [que a guerra] é sobre pessoas cujos interesses não são os mesmos que os nossos. Penso que essas pessoas conseguiram realizar um dos grandes roubos da história”, acrescentou Serj.


Controversos heróis

Assim como Axl Rose e Marilyn Manson, Daron guarda uma fascinação por Charles Manson, o líder do notório culto Manson Family, cujas atividades resultaram nos assassinatos de nove pessoas na década de 1960. Daron também admitiu uma admiração controversa pelo criminoso condenado. “Eu coleciono muito do material dele e tenho documentos de todas as audiências para liberdade condicional dele”, ele diz. “Há todo um lado de manson que não é tão maligno, mas é na verdade muito justo e correto”. Humm...


Disco duplo

Entre 2004 e 2005 a banda gravou material digno de um álbum duplo e então lançou-o em duas parcelas separadas (Mezmerize e Hypnotize) por seis meses de distância. “Acho que os dois se encaixam muito bem, eles são definitivamente parte do mesmo todo”, Serj disse à Kerrang!. “Se nós juntássemos a quantidade de músicas que queríamos transmitir naquelas sessões, acabaríamos com quatro álbuns – tivemos que reduzir para apenas dois!”

Elect the Dead

Elect the Dead foi o album solo de estreia de Serj Tankian. Enquanto ele próprio tocou a maioria dos instrumentos, também recrutou ajudantes, incluindo violinistas e violoncelistas, uma cantora de ópera e o baterista do System, John Dolmayan. O grupo de turnê dele foi charmosamente nomeado de Flying Cunts of Chaos e uma versão ao vivo do álbum intitulado Elect the Dead Symphony foi gravado com o Orquestra Filarmônica de Auckland.


Briga!

Durate a gravação de Toxicity, Daron e John saíram no tapa e aterrissaram no hospital. “Foi apenas alguma coisa que ele disse e eu estava de mau humor”, Daron relembra. “Balancei minha guitarra em direção à cabeça dele e o cotovelo dele bateu no meu rosto e cortou minha boca. Percebi que estava sangrando então agarrei o pedestal do microfone pela base de metal e golpeei-o na cabeça, então ele tem cerca de 18 pontos na cabeça e eu tenho uns 15 pontos na minha boca. Foi uma dos dias mais memoráveis da história da banda!”


Gangues

Ao crescer em Los Angeles, tanto Daron como Shavo se viram envolvidos nos limites da cultura de gangues. “Muitos dos amigos com quem cresci estão ou mortos, na cadeia ou ainda nas gangues”, o baixista recorda. “Tive amigos que eram membros de gangues que foram baleados ou ficaram cegos”, Daron reforçou. “Se você tem alguma inteligência percebe que o que está fazendo é errado, mas aquela foi uma parte da minha vida e me ajudou a ser parte do que sou agora”.


Hollywood

Suas raízes armênias ajudaram a dá-lhes forma, mas a cidade onde a banda nasceu também. A Hollywood despedaçada representada no vídeo Toxicity é totalmente diferente de seu glamour tradicional. “Eram áreas esquisitas pelas quais eu não andaria agora porque não são seguras”, diz Shavo sobre seus velhos locais habituais. “Havia helicópteros lá fora todas as noites e você ouvia tiros à noite”.


Material inapropriado

Toxicity foi o álbum número um nos EUA na época dos ataques de 11 de setembro de 2001 e com a letra do single hit Chop Suey! (com a frase: “Acho que você não acredita no meu suicídio moralmente auto-justificado”), a música foi incluída numa lista de “títulos inapropriados” distribuída pelo conglomerado Clear Channel Communications. Serj mais tarde alegaria que a CIA tinha arquivos sobre a banda e o SOAD continuaria a expressarem-se abertamente contra muitos aspectos da Guerra ao Terror.


John ‘o cara dos quadrinhos’ Dolmayan

Além de tocar bateria no System e Scars on Broadway, John Dolmayan dirige sua própria empresa de quadrinhos. Durante o hiatus do SOAD ele dirigia sua van para convenções e quando fãs surpresos perguntavam: ‘O que você está fazendo aqui?’, ele respondia: “Por que eu não deveria estar aqui? Você imagina que eu fico sentado em casa o dia inteiro cheirando cocaína?”


Chute inicial

O System of a Down nunca negou fogo quanto a reivindicar e abordar questões políticas, seja questionando o sistema penal dos EUA em Prison Song, seja expressando sentimentos anti-guerra de B.Y.O.B.. Em 2002 Serj co-fundou o Axis of Justice – uma organização não-governamental que visa combater o racismo e promover justiça social – juntamente com seu colega músico ativista Tom Morello, guitarrista do Rage Against the Machine.


Dispensa temporária

Após o sucesso dos álbuns Mezmerize e Hypnotize, a banda deu um tempo em 2006 que se tornou um ‘hiatus indefinido’ e que finalmente pareceu ter virado uma separação permanente. Foi somente em novembro de 2010, após intensas especulações, que a banda anunciou que iriam se reunir para uma série de shows em festivais – incluindo a noite como atração principal no festival Download deste ano.


Malakian, Daron

O guitarrista Daron Malakian é uma dá poucas entrevistas e no palco é um lunático, mas sua verdadeira personalidade é, segundo ele, muito diferente de sua louca persona pública. “As pessoas que me veem no palco e nos vídeos pensam que sou maluco”, ele admite. “Elas pensam que fora do palco vou a bares de strip e levo aquela vida de rock star. Mal eles sabem que eu nunca saio de casa. Se não tivesse que dar entrevistas, não deixaria minha casa por três semanas”.


Número Um

O segundo álbum do System, Toxicity, deu a eles o primeiro Número Um nas paradas dos EUA, enquanto Mezmerize e Hypnotize debutaram no topo, permitindo a eles juntarem-se ao seleto grupo de músicos que têm dois álbuns de estúdio estreando no Número Um no mesmo ano.


Odadjian, Shavo

O baixista Shavarsh ‘Shavo’ Odadjian é também um DJ bem sucedido na área de Los Angeles (atendendo pelo nome de DJ Tactics) e dirigiu vários vídeos do SOAD. “É obsessivo. Eu preferia que alguém da banda representasse-a nesta caminho porque então é o olhar da banda, ao invés da visão de outra pessoa”, ele disse sobre sua ocupação de diretor.


Projetos

Longe do SOAD, os quatro membros envolveram-se com vários diferentes projetos. Além de seus dois álbuns solo, Serj colaborou com o artista folk turco-armênio Arto Tunçboyaciyan no álbum Serart, Shavo juntou-se com RZA para um projeto chamado Achozen e Daron e John uniram-se para criar o Scars on Broadway – mas não ouse chamá-lo de ‘projeto’. “Se há uma coisa que odeio é a expressão ‘projeto paralelo’. Odeio porque soa tão barato. Para mim, o Scars é uma banda própria, não um projeto paralelo”, foi o que Daron nos disse, então...


Quacky

Sabe aquelas partes insanas que de repente surgem nas músicas do System? As partes loucas, não-convencionais que você não consegue descrever? Bom, Daron tem uma palavra para elas e essa palavra é ‘quacky’. “Às vezes o quacky pode ser uma guitarra, às vezes são os vocais de Serj. Há uma vibe circense nesta banda. Um amigo estava escutando nossa música outro dia e disse que o lembrava de um desenho. Ele não estava falando dos temas, mas sobre os efeitos sonoros engraçados: ‘Bik-ting-tah!’...”, Daron explica.


Tumulto

O SOAD planejava lançar seu álbum de 2001, Toxicity, com um show gratuito em Hollywood, mas as coisas saíram do controle quando mais de 3.500 pessoas compareceram. “O chefe dos bombeiros fechou o local, a polícia estava tentando nos prender, as barricadas cederam, nosso equipamento foi roubado e nossos técnicos apanharam. A polícia de L.A. e o promoter pisaram na bola. Ninguém explicou a nossos fãs o que estava acontecendo. Não sou anti-polícia, mas eles podem ser exaltado demais às vezes”, Serj relembra.


System of a Down

Em 1997 o famoso produtor Rick Rubin contratou a banda para seu selo American Recordings e se ofereceu para produzir seu álbum de estreia auto-intitulado. Rubin e Serj alojaram-se na casa do produtor, onde o cantor gravou os vocais num porão escuro e esparso conhecido como The Dungeon (O Calabouço) e então numa tenda erguida na sala de estar. “Tínhamos luzes coloridas e incenso e pequenos tapetes antigos e uma vibe simplesmente ótima rolando”, lembra-se Serj.


Tankian, Serj

Cantor, letrista, poeta, compositor, multi-instrumentista, produtor e ativista político, Serj Tankian provavelmente realiza mais antes do café da manhã do que a maioria das pessoas fazem em um mês. Incendiário no palco, o cantor tem a reputação de ter uma calma Zen fora dele. “Acredito na energia existente em cada pessoa e objeto no universo e acredito que você pode estabelecer uma conexão com essa energia além de fronteiras físicas. Se você quiser chamar a unificação dessa energia de ‘Deus’, você pode, mas não precisa [chamar disso]”, ele contou à Kerrang! quando perguntado sobre opiniões espirituais.


Sem título

Apesar deles terem surgido no meio do boom do nu-metal, o System tem uma personalidade única que os separa de seus colegas. Uma demo, conhecida apenas como Untitled Demo Tape 1995 (Fita Demo Sem título 1995) começou a circular e o interesse neste curioso grupo começou a crescer. O promoter Anthony Belanger lembra: “Consegui uma fita deles com o pessoal do Snot e todo mundo estava dizendo: ‘Você tem que agendar esses caras’. Assim que os vi, nós soubemos. Ficamos totalmente impressionados”.


Victims of the Down

A banda precursora do System of a Down era chamada Soil, e contava com Daron, Shavo e Serj. Eles viraram uma nova banda, originalmente chamada Victims of a Down, depois de um poema escrito por Daron. Shavo sugeriu uma leve alteração, em parte com base no fato de que eles ficariam mais perto do Slayer nas prateleiras das lojas.


Will they die 4 you

O album do South Park, Chef Aid, viu algumas colaborações improváveis, mas nenhuma mais estranha do que o System em parceria com Puff Daddy em Will they die 4 you. Quando perguntado pela Kerrang! qual de suas músicas eles apagariam da história, tanto Daron como Serj apontaram esta. “Não acho que aquela do South Park soa como as outras músicas do System porque não é realmente uma música do System”, o cantor deu de ombros.


Censurado

Apesar de não ser tão ativo como, digamos, o guitarrista e estrela pornô amador Dino Cazares, do Fear Factory, Daron sempre foi muito aberto sobre seu prazer em relação ao lado adulto da indústria do entretenimento. “Acredito que não há nada de errado com o sexo e se alguém escolhe fazer isso na tela, eu assistirei”, ele contou à Kerrang!. A música do System composta por Daron, Violent Pornography, entretanto, sugere que nem todo pornô é criado igualmente.


Jovens

Apesar de não terem se conhecido lá, por serem de idades diferentes, Serj, Daron e Shavo estudaram na mesma escola em Los Angeles. Isso pode parecer uma coincidência um tanto grande, considerando o fato de que a cidade tem uma população de 17,8 milhões, mas é bem menos que isso quando você considera que a Rose and Alex Pilibos Armenian School era um ponto focal para a fortemente unida comunidade armênia.


Entusiasmo para a vida toda

Serj Tankian tem uma filosofia de vida simples: “Eu tento pensar e agir como se eu tivesse morrido ontem. Isso significa que tudo que faço de agora em diante é como algo inesperado e valioso, tudo o que faço é um bônus”, ele diz. O que poderia explicar o louco sorriso elástico no rosto com que o cantor é frequentemente visto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário